Anos 20

Carta perdida no tempo

fevereiro 01, 2018

 

Esse post faz parte do Projeto Perca-se em Ficções. O tema dessa semana era falar o que estava escrito em cartas perdidas de dois amantes dos anos 20 e resolvi escrever algo que revelaria todo o amor que meus dois personagens fictícios sentiam um pelo outro.

"Acabei de embarcar em um trem com destino ao Rio de Janeiro para dar início a um novo capítulo da minha vida. Anseio pelo recomeço, preciso ser sincero contigo, mesmo sentindo que nada poderá apagar as lembranças de um tempo recheado por nós dois. Sinto falta de te encontrar às escondidas e de marcar aquela velha árvore com as nossas iniciais. Almejo também a nossa troca de olhares e as vezes em que o destino nos proporcionava um reencontro na hospedaria de Dona Mercedes. Eu me lembro muito bem de você ajudando os hóspedes a se instalarem ali. Lembro-me de sua total receptividade, sempre com um sorriso no rosto para aqueles que adentrassem o hall e necessitassem de auxílio com as bagagens, e às vezes sustentando um ar de quem estava com fome quando o horário do almoço se aproximava. Eu me lembro de tudo isso, pois foram momentos como esses em que me peguei olhando para ti e me questionando sobre o que estava acontecendo comigo. E por mais que todos possam dizer que é errado sentir tais emoções por ti, logo por TI, preciso dizer que não sinto que o que fizemos durantes esses cinco meses tenha sido errado. Quem pode nos julgar por amar? Eu não acredito que exista alguém... Mas sei que agora é tarde demais para tudo, pois o seu casamento aconteceu nesse sábado e, assim como eu, sei que está tentando seguir em frente. Foi melhor assim, por mais difícil que seja escrever essas palavras, mas foi melhor. Nosso amor estava fadado a nunca dar certo e sei que você entende isso assim como eu. Vamos trilhar um caminho diferente a partir de hoje, porém guardei você para sempre em meu coração (que na verdade é seu). Esse é o adeus mais doloroso e que nunca desejei dar."

De olho na telinha

A espera ansiosa por Orgulho e Paixão

janeiro 27, 2018


Faz dias que não consigo falar de outra coisa e meu coração chegou a acelerar quando vi que a Globo resolveu fazer uma novela com base nos livros de Jane Austen, simplesmente a minha escritora favorita (não será a primeira e nem a última vez que repetirei isso aqui, ok? hahaha). Orgulho e Paixão, a próxima novela das 6, está marcada para começar dia 20 de março de 2018 e promete, já que se trata de uma obra escrita por Marcos Bernstein e inspirada em Orgulho e Preconceito (1813), Razão e Sensibilidade (1811), Emma (1815) e Lady Susan (1871).

 Darcy e Elizabeta (Fonte: Globo)

Darcy e Elizabeta (Fonte: Globo)

Assim como os livros de Austen, a novela buscará retratar o final do século XIX e início do XX. O casal principal será Darcy (Thiago Lacerda), que terá de superar seu orgulho, e Elizabeta (Nathália Dill), uma jovem libertária com muitos sonhos na bagagem, uma ousadia natural em sua personalidade e que pode encantar ou afastar um possível pretendente.

Sendo, sincera, eu simplesmente amei a escolha! Consigo ver Thiago Lacerda conseguindo representar muito bem o nosso tão amado Darcy e acredito que Lizzie está muito bem representada pela Nathália Dill, pois, além dela ser uma atriz que admiro muito, as últimas fotos que saíram relacionadas a novela deram um gostinho de que a nossa Elizabeta promete.

 Elizabeta (Fonte: Globo)

Elizabeta (Fonte: Globo)

Há ainda outros personagens dessa obra marcante: Ofélia (Vera Holtz) e Felisberto Benedito (Tato Gabus Mendes). Assim como o Sr. e a Sra. Bennet de Orgulho e Preconceito, eles serão pais de cinco filhas (Elizabeta, Mariana, Jane, Cecília e Lídia) e terão como objetivo casá-las com bons partidos, mas tudo indica que a mãe fará muitas trapalhadas para atingir o que deseja.

 Ofélia e Felisberto (Fonte: Globo)

Ofélia e suas cinco filhas (Fonte: Globo)

Caso sigam fielmente Razão e Sensibilidade, Mariana Benedito (Chandelly Braz) terá uma personalidade espontânea e será excessivamente sensível e acabará encantando o Coronel Brandão (Malvino Salvador), um homem exigente com seus soldados, linha dura e que comandará o exército na região do fictício Vale do Café. No entanto, a jovem Mariana não irá corresponder os sentimentos do Coronel por achá-lo muito antiquado.

 Mariana (Fonte: Globo)

Coronel Brandão (Fonte: Globo)

Falando sobre a região fictícia do Vale do Café, encontrei algumas fotos de onde a novela está sendo gravada e posso dizer que fiquei encantada. O cenário fez com que eu lembrasse muito do modo como imaginei Pemberley enquanto lia Orgulho e Preconceito.






Ainda em relação às filhas do casal Benedito, Jane será interpretada por Pâmela Tomé. Ela terá uma forte ligação com Elizabeta e se apaixonará por Camilo (Maurício Destri), grande parceiro de Darcy e um rapaz romântico e educado, porém com uma fraca personalidade. Camilo também se encantará por Jane por achar que os dois têm características muito semelhantes.

Camilo (fonte: Globo)

Contudo, Darcy e a mãe de Camilo, Julieta (Gabriela Duarte), serão contra esse romance, principalmente por eles considerarem o status social. Julieta terá como rival a maior vilã da novela, Susana (Alessandra Negrini). Susana é baseada na protagonista de Lady Susan e será invejosa, esperta, dissimulada e uma péssima influência. Tentará dar o golpe do baú e infernizará a vida de Elizabeta.

Julieta (fonte: Globo)

Em relação às outras duas irmãs de Elizabeta, sabe-se que Lídia (Bruna Griphão) será a mais carente da família Benedito e devido a seu desespero pela maioridade acabará fugindo de casa com um homem mais velho. Já Cecília (Ana Júlia Dorigon), inspirada na personagem Catherine de A Abadia de Northanger (1818), encantará Rômulo (Marcos Pitombo), uma famoso playboy conhecido por suas conquistas, mas o Almirante Tibúrcio (Oscar Magrini), pai do rapaz, só aprovará a garota por achar que ela é milionária.

Rômulo (Fonte: Globo)

Outro personagem que já foi confirmado na história é Diogo Uirapuru (Bruno Gissoni), que se mostrará como inimigo de Darcy e com ar de conquistador e malandro. Ele acabará ficando interessando por Mariana e acredito que ele será como Willoughby de Razão e Sensibilidade e Wickham de Orgulho e Preconceito.

Diogo (Fonte: Globo)

Além disso, uma das protagonistas da novela será Ema Cavalcante, inspirada na obra Emma. Ela será melhor amiga e confidente de Elizabeta e a casamenteira da trama. Com um estilo refinado, será a neta do Barão de Ouro Verde (Ary Fontoura), um grande produtor de café que está a beira da falência.

Ema (Fonte: Globo)

Barão de Ouro Verde (Fonte: Globo)

O coração de Ema será disputado por dois rapazes. Um deles será o advogado Jorge (Murilo Rosa), que é gentil e discreto, mas será visto por ela apenas como um amigo e confidente. E o outro será Ernesto Princelli (Rodrigo Simas), um revolucionário que no começo da trama ainda estará encantado por Elizabeta.

Jorge (Fonte: Globo)

Ernesto (Fonte: Globo)

Confesso que não gostei muito desse personagem Ernesto e nem imagino quem ele possa estar representando das obras de Jane Austen. Espero, no entanto, que eles sigam a história original e que Ema fique com Jorge, que na obra seria o Mr. Knightley. Eu realmente gosto muito desses dois no livro!

E por último uma personagem que está confirmada na nova novela das 6 é Charlotte Williamson. Ela será a irmã caçula de Darcy e aparecerá após os primeiros três meses da trama. Estará voltando para o Brasil depois de um longo período na Inglaterra.

Ainda estou esperando que eles anunciem alguém que representará Anne e Capitão Wentworth de Persuasão, a minha história predileta de Jane Austen, mas sei que abordar todas as obras da escritora talvez prejudique a qualidade da novela, deixando-a meio superficial. Sendo sincera, eu estou com as expectativas lá em cima e quero acompanhá-la desde o início. Acredito que algumas coisas serão diferentes dos livros, pois é apenas uma releitura, mas será uma novela linda e cheia de personagens encantadores, assim como as fotografias que estão saindo nas últimas semanas.

Para quem não conhece as obras de Jane Austen e está completamente perdido em tantas referências, aqui vai um gostinho! Eu ainda não li nem assisti todas as obras, mas, por enquanto, as minhas preferidas são Orgulho e Preconceito e Persuasão. Qual a favorita de vocês?


Caramelodrama

Muito doce e Caramelodrama

janeiro 24, 2018


Em um cantinho do bairro do Batel aqui em Curitiba, capital do Paraná, há um café de estilo francês e sofisticado que resolvi visitar com as minhas duas melhores amigas. Além de ter conhecido esse local tão delicado por meio de uma postagem no blog da Melina Souza, Serendipity, uma colega do curso de psicologia tinha comentado diversas vezes sobre o Caramelodrama, dizendo o quanto amava as delícias de lá e o quanto o estabelecimento era delicado e muito bem planejado, o que me despertou certa curiosidade. Além disso, pelo fato de que um dos meus projetos de 2018 é conhecer um café por mês, fui até lá conhecer e resolvi compartilhar a minha experiência.

Caramelodrama é um café que fica em uma casinha de estilo europeu meio escondida em meio a tantos bares e baladas na região mais nobre da cidade. Do lado de fora já se percebe a atenção aos detalhes e o cuidado de tentar trazer um pedacinho da França para a capital paranaense. Há um espaço florido do lado direito e na parte esquerda é possível encontrar um espaço mais aberto para que o cliente possa aproveitar seu café ao ar livre. É possível notar ainda a sutileza da entrada e o ar acolhedor que aquela pequena casa busca transpassar.



Assim que eu e minhas amigas adentramos o estabelecimento, o que mais me chamou atenção foi a organização realizada no espaço. Não há apenas mesas para as pessoas possam sentar, comer, beber um frapê e bater um papo divertido, como em muitos cafés tradicionais, mas também existem sofás espaçosos, poltronas e até mesmo uma cadeira de balanço de madeira antiga. Você pode também emprestar um livro da estante e ler naquele momento relaxante. E tudo isso embalado por músicas calmas e, pelo pouco que pude entender, definitivamente francesas.


Um dos cantinhos que mais me encantaram foi a prateleira de utensílios de cerâmica em exposição. Há chaleiras e bules dos mais diversos tamanhos e cores, xícaras temáticas, como as de A Bela e a Fera, porém o meu conjunto preferido é o de Alice no País das Maravilhas, pois assim que vi lembrei do meu blog predileto, o Memorialices.



Como o ambiente não estava muito cheio e pelo nosso acanhamento (eu queria muito apenas sentar no sofá, pegar um livro qualquer na estante e dar uma folheada no mesmo, mas não tive coragem naquele momento), resolvemos nos acomodar em uma mesa tradicional e que era dona de uma visão que considero privilegiada do local.


Confesso que tive um pouco de dificuldade para decifrar o cardápio repleto de pratos franceses, mas pelo fato da atendente ter sido tão prestativa e atenciosa e pelos doces estarem expostos em uma vitrine facilitaram E MUITO a minha escolha. Optei pelo chocomelodrama, o bolo da casa, que realmente é uma delícia! Pelo que a atendente explicou, os doces ali preparados não apresentam leite condensado e achei que aquele bolo de chocolate que comi não estava tão doce, justamente por esse fato e também por ter sido usado chocolate amargo em sua preparação.


Eu achei um pouco caro, para falar a verdade, mas acredito que a faixa de 10 a 20 reais por um pedaço de bolo ou torta é comum nos cafés por aí. Por isso, um conselho que dou é ir com a carteira preparada, pois a vitrine seduz qualquer um e você acaba querendo ficar mais tempo ali, pois o ambiente é extremamente agradável, tanto que, mesmo depois que terminamos de comer, ficamos ali por um bom tempo apenas conversando e nos divertindo. 

Alguém aí já conheceu o Caramelodrama? Se sim, o que achou? Conta aí nos comentários!